Enquanto o Lobo não vem

Aquela impressão ‘deu pra ti Auriane, você está no céu…’ Bom, ao menos é o paraíso.

Exatamente essa sensação, senti, ao avistar o Santuário do Caraça, nas minas gerais. O Santuário é uma espécie de mosteiro, cuja construção foi iniciada no século 18. O lugar já abrigou um colégio (ali estudaram ex-presidentes da república, o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre outros) e um seminário. Atualmente recebe turistas de todo mundo.

E não é para menos. Além de sua importância histórica  e religiosa, o lugar é simplesmente lindo. A Serra do Caraça, que faz parte da Serra do Espinhaço, é uma zona de transição entre Cerrado e Mata Atlântica. Lar do Lobo-Guará – a ‘atração’ favorita da maior parte dos visitantes do santuário e parada de mais de 300 espécies de aves.

Depois de uma estrada sinuosa, mas com cenários belíssimos, avistamos a entrada do parque, alguns metros já estávamos na recepção. O antigo seminário, que pegou fogo algumas décadas atrás, virou hospedaria, tem museu – um cubo de vidro que emoldura as ruínas, e cenários paradisíacos. 

O incêndio aconteceu quando um seminarista esqueceu uma vela acessa na sala de encadernação, resultando entre outras coisas na perda de 25 mil livros da biblioteca, sendo que 15 mil foram salvos pelos internos que arregaçaram as mangas e enfrentaram as chamas. Graças às doações hoje o acervo já conta com 25 mil exemplares, muitos deles obras raras.

Logo na chegada avista-se uma placa: Colégio do Caraça, casa religiosa, lugar de oração – silêncio – solidão – santidade. Entre no clima. Fato comprovado pelas inúmeras pessoas espalhadas lendo, meditando ou apenas contemplando o lugar harmonicamente. As cercanias contém o Parque do Caraça, reserva, trilhas espetaculares, por do sol exclusivo, sempre é, mas lá a sensação é que foi providencial. 

O parque, as paisagens, certos animais silvestres, aves e as edificações são coadjuvantes perante a figura do Lobo-Guará, quatro habitam a reserva, pois a grande maioria dos visitantes e hóspedes aguardam ansiosamente sua aparição para se alimentar. O local mantém a mesma tradição desde sua fundação, só a bandeja que era posta no pé da escada, atualmente fica em frente à Igreja.

Guará! Guará! Guará!

Ao anoitecer o Padre arrasta uma bandeja com carne e ossos e convida o lobo para jantar. Em frente à Igreja que tem celebrações diárias, forma-se um círculo de pessoas atentas, outras nem tanto, mas são estimuladas a colaborar com silêncio e observação, para que o astro principal possa comparecer. Enquanto isso o Padre faz breve explanação sobre a rotina, sobre os lobos, sobre o parque e propõe um bate papo. 

Nesse momento uma criança pergunta se há registro de ataques, e ouvimos que esse fato nunca ocorreu, porém que é preciso ter cuidado nas andanças pelo parque, pois foram avistadas onças e que o lobo é inofensivo, tem hábitos peculiares e delimita território entre sua própria espécie, por isso o baixo número de lobos em toda reserva.

Peço ao Padre Lauro que fale sobre a história do local, eis que ele respira fundo, retruca como se fosse longa demais para ser contada e ouvida, e responde com outra pergunta: você tem certeza que quer ouvir isso tudo agora. Claro, digo eu, um breve relato. Uma aula, narrada pausadamente, sob a luz do luar, em frente a igreja, frio de 12 graus, esperando o lobo.

Todos atentos ouvimos desde a história da fundação do local, as pessoas que passaram por lá, notáveis inclusive, o rumo após o incêndio, o acontecimento no dia 7 de Setembro em todos os anos desde a construção, quando ainda não havia relação com a Independência, o solstício acontece se pondo exatamente no santíssimo, falou também das peculiaridades do lugar. 

Ao final o Padre se surpreende por constatar que falava por quase duas horas e todos estavam compenetrados, inclusive as crianças presentes. O silêncio havia sido quebrado apenas pela fala do Padre e por um sujeito que ao sentar, pressionou o alarme do carro, acionando-o. Nesse instante todos protestaram, pois se o lobo estivesse perto, já era. 

A aula terminara, o professor se recolheu, desejou boa sorte e a maioria também foi embora já que até então o lobo não aparecera. Havia ânimo, curiosidade, interesse, mas o frio… Eu e minha amiguinha fomos buscar chá e pipocas, sim no final da noite oferecem esse lanche, pois o jantar foi servido algum tempo. Menu simples, porém saboroso, com ingredientes produzidos no próprio local.

O café da manhã acontece em torno do fogão de lenha, onde cada um prepara sua refeição com a cia do Padre e alguns funcionários que dão suporte e orientação. A disciplina é exigida, o jantar é servido de 18:30h às 19:30h, sem exceções, parecendo estar em colégio interno. Ao retornar percebemos silêncio absoluto, as pessoas nem piscavam, aproximamos sorrateiramente e lá estava ele, altivo, olhando os humanos à sua espera. 

Chegou emanando uma energia incrível, vibrei, por ser merecedora daquele privilégio, por ser eleita para vê-lo. Ele é maior do que pensava, usa botas, é belo, soberano, o animal dourado. O Lobo Guará se alimenta, se deixa fotografar, selvagem, silvestre, desconfiado…depois vai embora deixando a impressão que estávamos num conto.

Pura magia!

 

Como chegar

Belo Horizonte – 120 Km da capital mineira, pela BR 381 sentido Espírito Santo, passando pelos trevos de Ravena, Caeté, Nova União, Bom Jesus do Amparo e de Itabira. Percorrer mais 7 km e entrar à direita na MG 436 sentido Barão de Cocais, Caraça e Santa Bárbara. Pegar a MG 129 por mais 12 km até Catas Altas.
Rio de Janeiro – BR 040 sentido BH, chegando a Conselheiro Lafaiete entrar na rodovia em direção a Ouro Branco, passar pelo trevo de Ouro Preto (Alcan), seguir para Mariana. Após a entrada de Mariana, seguir até o trevo sentido Mineradoras (Samarco). Sair da área urbana de Mariana, seguir na MG 129 passando pelos trevos de Antônio Pereira, Vila Samarco, Santa Rita Durão, Morro D’Água Quente até Catas Altas.
São Paulo – BR 381 sentido BH, após passar pela entrada de Nepomuceno virar à direita na MG 265, passando pelos trevos de Lavras. Chegando a São João Del Rei entrar na BR 383 em direção a Lagoa Dourada até chegar na BR 040. Seguir em direção a Conselheiro Lafaiete depois entrar a direita sentido Ouro Branco. Passar pelo mesmo trajeto descrito no percurso partindo do RJ.

8 Comments
  • sonia valfre

    dei apenas uma olhada geral no blog mas ja percebi que tem assuntos super interessantes e úteis. no momento ando atarefada com o casamento da filha mas assim q passar visitarei com mais calma…..bjs e parabens

  • Auriane Rissi

    Casamento da filha? Motivo especial para se ocupar. Muita emoção!
    Volte quando puder.
    Grata
    BjBj

  • Rosy cardoso

    Auriane vc é uma pérola que abrilhanta nossos momentos c seu brilho.A unicidade do conhecimento c o amor.Amei estar c vc.

    • Auriane Rissi

      Rosy, dizeres que emocionam. Sua presença foi um vivaaa!!! Grata

  • itaney campos

    Ainda quero conhecer esse Seminário, ao que consta Drummond chegou a estudar ali….abs…

    • Auriane Rissi

      Certamente irá se surpreender! Sim, Drummond como seu pai Camilo de Oliveira estudou no Colégio do Caraça. Também estudaram lá três Presidentes da República – Afonso Pena, Arthur Bernardes e Delfim Moreira.

  • Taina

    Nossa eu fui em excursão de escola, que lugar maravilhoso, otimo para sentar em grupo e ouvi uma musica com Hm violao, a noite otima, adorei o texto Auriane Rissi.

    • Auriane Rissi

      Um lugar mágico, um dos lugares de ecoturismo mais lindos que já conheci. Grata!

Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>